Notícias

"Uma viagem na História" - Estudo do Meio - 7º ano

12 Jun 2019

"Uma viagem na História" é o tema dos Projetos Vida no 9º ano do Ensino Fundamental. Os alu-nos visitaram as cidades de Tira-dentes, São João Del Rei, Maria-na e Ouro Preto, todas em Minas Gerais, entre os dias 31 de maio e 2 de junho.
Mais do que descrever o que viram e aprenderam em cada local visitado, é sentir, por meio do aluno Luís Felipe Barone, as emoções, relatadas à Revista do CLQ, que, segundo ele, ficarão em suas lembranças para o resto de sua vida.
“Foi interessante, pois quando chegamos lá, andamos pelas ruas e logo de cara já percebemos que era tudo diferente, as ruas não são asfaltadas, sem muito comércio e as construções eram diferentes. Estávamos em Tiradentes e um educador nos contou muitas histórias e ficamos muito impressionados.
Vimos a estátua de Tiradentes, que já havíamos visto na aula, assim como outras coisas, mas pudemos ver pessoalmente e isso foi muito legal. Fomos para uma Igreja e lembro que, no início do ano, quando nos falaram dela, achei interessante, mas dentro dela fiquei de ‘queixo caído’ e imaginando como seria uma missa lá, deu até vontade de participar de uma, pois a igreja é maravilhosa, não tem nem como descrever, só estando lá para conseguir sentir.
As Igrejas que vimos durante a viagem são lindas, perfeitas, estou até com saudade de lá, pois foi tudo muito curioso, em aula você não consegue imaginar como é realmente. Elas apresentam muitos detalhes e, em Ouro Preto, a de São Francisco tinha, no teto, uma pintura da entrada do Paraíso que me impressionou bastante. Me concentrei muito nela, pois quando eu era criança, eu fazia catequese e imaginava que o Paraíso fosse algo assim, então quando vi, fiquei deslumbrado não só pela beleza da igreja, mas principalmente pela semelhança com o que eu imaginava. Eu fazia desenhos com o portão de ouro e os anjos em volta, como estava na pintura. Comentei até com o professor José Daniel Batista.
As esculturas eram perfeitas, com detalhes que a gente se pergunta ‘como alguém conseguiu fazer isso?’, pelo grau de dificuldade, pela qualidade do trabalho. É surreal, gostei bastante. Eu nunca esperava ver essas coisas e a primeira igreja que visitamos, já achei extraordinária, com certeza não vou esquecer o que vi por toda a minha vida, está tudo gravado na minha mente.
Quando caminhávamos pelas cidades, comentei com o professor Daniel, que observei o quanto eles preservam o patrimônio e me senti no século XVIII. Até porque, quando visitamos a Casa dos Contos, vimos as ferramentas reais que eles usavam nos escravos e os livros com escritos de 1868, tudo me impressionou, como textura do papel, a caligrafia e as palavras antigas, como o teatro da cidade que preserva a gravação da fachada da época, com Th, ou seja, Theatro. O professor Daniel comentou que essa preservação, além de resguardar nossa história, gera renda para o município por meio do turismo e isso é bem legal, em especial para pessoas como eu, curiosas em saber como eram as coisas no passado.
Lá também vimos uma senzala onde os escravos eram mantidos, um lugar de terra. O sentimento que tive, ao escutar o que faziam com eles, me deixou até assustado e com muito dó deles, fiquei até arrepiado de imaginar o sofrimento deles. Na realidade, acho que nem dá para imaginar, pois se você vê as ferramentas e instrumentos de torturas, onde eles colocavam os escravos, não tem como não ficar triste, só se não conseguir se colocar no lugar deles, como sempre me coloco no lugar de outras pessoas, fiquei bem chateado e depois aliviado de imaginar que hoje em dia isso não acontece mais, pois eram coisas bem fortes.
Não dá para falar da viagem, pois fica difícil descrever. Somente vendo as coisas, os lugares, as pessoas, conse-guimos sentir realmente e para quem gosta de ver patrimônio preservado, fica mais estimulante estudar História e conhecer mais e mais.
Outra coisa que também chamou muito a nossa atenção nas igrejas foi a arte barroca, rococó e a importância das igrejas e dessas artes na época, pois são, realmente, muito lindas.”
Além da parte histórica, durante a viagem, os alunos receberam informações sobre as características geográ-ficas, geológicas, econômicas, artísticas e sociais dos locais visitados. Participaram também, em Ouro Preto, de uma intervenção literária, preparada pela professora Olga Martins, sobre o Arcadismo, com os poetas da Inconfi-dência, fazendo declamações na casa de Dirceu.
Visitaram, ainda, a Mina Santa Rita, a Mina da Passagem, o Museu da Inconfidência, fizeram um deslo-camento de Maria Fumaça, participaram de oficina de arte com pedra sabão e tiveram informações sobre o Desastre de Mariana e o de Brumadinho.

Compartilhe essa postagem
Mais notícias